Google+ Badge

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

ARROZ DO IMPERADOR


JOSÉ FRANCISCO RUZENE É O PRIMEIRO AGRICULTOR A APOSTAR NO GRÃO DE COR PRETA E SABOR LEMBRA CASTANHA.DE IGUARIA CHINESA, RESERVADA APENAS AOS NOBRES E COM FAMA DE AFRODISÍACO, O ARROZ PRETO GANHA SUA VERSÃO BRASILEIRA NA HISTÓRIA DA GASTRONOMIA, O ARROZ "PROIBIDO" É UMA IGUARIA CHINES, SABOREADA PELOS IMPERADORES HÁ 4 MIL ANOS . MAS ESSE ARROZ DE COR PRETA, TEXTURA MACIA E COSTO QUE LEMBRA O DA CASTANHA, TAMBÉM QUER ENTRAR PARA A HISTÓRIA DA GASTRONOMIA BRASILEIRA, AGORA NO SÉCULO 21 . NÃO MAIS COMO PRODUTO VETADO AOS AO SÚDITOS, MAS COMO UM GRÃO DE QUALIDADE, NUTRITIVO E VOLTADO PARA O MERCADO GOURMET. AO MENOS ESTE É O SONHO DO RIZICULTOR JOSÉ FRANCISCO RUZENE, MAIS CONHECIDO COMO "CHICÃO, O PRIMEIRO AGRICULTOR E CULTIVAR O GRÃO NO BRASIL. ESTA HISTÓRIA COMEÇA NA DÉCADA DE 1990, QUANDO O INSTITUTO AGRONÔMICO DE CAMPINAS (IAC) DECIDIU APOSTAR NESSE GRÃO DENTRO DE UM PROJETO DE MELHORAMENTO GENÉTICO DOS ARROZES ESPECIAIS. NASCIA AÍ O ARROZ PRETO NACIONAL, BATIZADO DE IAC-600, RUZENE, ENTÃO UM PRODUTOR DE ARROZ BRANCO, ASSIM COMO SEU PAI E SEU AVÔ, QUE MIGROU DA ITÁLIA, SOUBE DO PROJETO E DECIDIU APOSTAR NA NOVA LAVOURA. " AS PESSOAS FALAVAM QUE ERA UM PRODUTO GOURMET, MAS EU NUNCA TINHA OUVIDO ESTA PALAVRA, NÃO SABIA O QUE SIGNIFICAVA ", CONTA. PARA DESCOBRIR ESTE SIGNIFICADO, O AGRICULTOR DE PINDAMONHANGABA, INTERIOR DE SÃO PAULO, FOI ATÉ A CIDADE VIZINHA DE CAMPOS DO JORDÃO CONHECER OS RESTAURANTES. GOSTOU DO QUE VIU E DECIDIU APOSTAR NO ARROZ GOURMET. ELE PLANTOU O GRÃO EM DOIS HECTARES DE UM TERRENO MUITO IRRIGADO, QUASE UMA VÁRZEA. A PRIMEIRA SAFRA FOI BENEFICIADA NO FINAL DE 2005, E, COM O  PRODUTO NUMA EMBALAGEM ESPECIAL, RUZENE PARTIU PARA A CAPITAL PAULISTA PARA MOSTRÁ-LO PARA GRANDES CHEFS. DEU SORTE, UM DOS PRIMEIROS A SE ENCONTRAR COM O GRÃO FOI ALEX ATALA , DO PREMIADO RESTAURANTE D.O.M., QUE TEM UMA RECEITA DE SALADA DE ARROZ PRETO  COM LULAS, ALGAS E TUCUPI, ENTRE OUTRAS CRIAÇÕES. O ARROZ CONQUISTA OS CHEFS PELO SEU SABOR E CONSISTÊNCIA, MAS É TAMBÉM O QUE CONTÉM MAIS PROTEÍNAS E MENOS CALÓRICO DO QUE AS VARIEDADES BRANCA E INTEGRAL." ELE É MUITO RICO EM FIBRAS", DIZ ALESSANDRO SAGATO, O CHEF DA LA RISOTTERIA. O SUCESSO  DO OUTRORA PROIBIDO ARROZ MUDOU A VIDA DE RUZENE. ATUALMENTE, ELE ARRENDA 100 HECTARES DE UMA FAZENDA PRA CULTIVÁ-LO. E TEVE DE ABANDONAR O PLANTIO DO ARROZ BRANCO DEPOIS DE 25 ANOS DE AGRICULTURA. " TODAS AS MÁQUINAS DEVEM ESTAR ADAPTADAS AO PRETO E NÃO DÁ PARA PLANTAR NENHUMA OUTRA ESPÉCIE", CONTA. AGORA COM AS MÃOS MENOS CALEJADAS-ELE PASSA MAIS TEMPO NAS VISITAS AOS RESTAURANTES DO QUE NO CAMPO-, RUZENE TAMBÉM APRENDEU O SIGNIFICADO DA PALAVRA QUALIDADE. ELE TOMA MAIS CUIDADO NO COLHEITA PARA O GRÃO NÃO QUEBRAR. SÓ NÃO SE CONFORMA COM A REDUÇÃO DO PLANTIO. "APRENDI QUE O QUE É BOM PARA A CULINÁRIA É RUIM PARA O AGRICULTOR", RECLAMA. O ARROZ BRANCO RENDE 10 TONELADAS POR HECTARE E O PRETO, ENTRE 2 E 3 TONELADAS POR HECTARE. O BAIXO RENDIMENTO COMPENSA PELO PREÇO- UMA EMBALAGEM DE 250 GRAMAS CUSTA AO REDOR DE OITO REAIS- TANTO QUE REZENE PREPARA NOVOS LANÇAMENTOS DOS ARROZES ESPECIAIS .

Um comentário:

Fauna e flora- e outros disse...

fonte: revista menu- requinte na panela- editora três

Postar um comentário